Willian Fernandes

Pair Programming – Por que e como usar?

Comente »

Pair Programming é, para mim, a melhor forma de trabalhar em equipe. Facilita a comunicações e impede que o conhecimento de uma funcionalidade/lógica fique somente com um desenvolvedor.

Trabalhando em Pair foi fácil perceber a evolução das pessoas como profissionais. Um profissional Jr. rapidamente ganhava experiência, adquiria habilidades e virava fluente na linguagem[bb], ou seja, treinar a equipe usando Pair foi muito mais simples e barato para a empresa.

Mas, essa é minha opinião. Muita gente compartilha comigo esse mesmo sentimento, mas muita gente torce o nariz quando escuta as palavras Pair Programming juntas.

Mas como começar com Pair Programming?

Não adianta impor sua equipe a trabalhar assim. Mas antes de aceitar um não da equipe, é interessante testar e analisar a aceitação de todos.

Quando trabalhava na WebCo (Abril Dgital), resolvemos usar a Programação em Par[bb]. Foi fácil convencer todos, pois, no nosso caso, todos a maioria que torciam o nariz nunca tinham usado Pair, ou seja, não tinham argumentos.
No começo havia discussões, stress, mas com o tempo todos foram percebendo os ganhos que estávamos tendo com a adoção e virou regra da empresa utilizar Pair 100% do dia. Quando entrevistávamos alguém, um dos requisitos era a pessoa não ter nada contra ao trabalho em equipe, principalmente ao Pair.

Mas isso tudo poderia ter sido um tiro no pé. Por isso precisamos estudar caso à caso.
Hoje trabalho numa empresa que somente EU trabalhei com Pair Programming. Tive muitas barreiras para quebrar, principalmente dos gerente, mas felizmente consegui convencê-los e vou começar com Pair na minha equipe.

Como uso Pair Programming

Como uso Scrum para gerenciar o processo do desenvolvimento, ficou fácil dividir as duplas do Pair. No Daily Meeting, quando definimos o que faremos hoje, também definimos com quem faremos Pair. E durante o dia todo não trocamos de par, apenas revezamos, de tempos em tempos, o driver e o navigator. Esse revezamento pode ser feito marcando em um cronometro que avisará quando a troca ocorrerá, ou simplesmente quando a dupla julgar necessário (o que eu prefiro).

No dia seguinte, um das pessoas do par continua na história e a outra pessoa escolhe em qual história trabalhará e com quem fará par. O mesmo ocorre com os outros pares. Ou seja, assim conseguimos manter uma boa rotatividade. A idéia é que o maior número de pessoas possam trabalhar juntas durante o Sprint.

A dinamica


História 1: Juca - Pedro
História 2: Lucas - Thiago
História 3: Maria - Carla
1º Dia


História 1: Juca - Carla
História 2: Lucas - Pedro
História 3: Maria - Thiago
2º Dia


História 1: Carla - Thiago
História 2: Lucas - Juca
História 3: Maria - Pedro
3º Dia

E assim por diante…

Baby steps

Como disse, hoje estou começando com Pair na minha equipe, ela será uma cobaia dentro da empresa. Tendo bons resultados, poderemos expor para as outras equipes também dotarem o uso do Pair Programming.

Resumindo…

Não adianta impor, de cara, que toda a empresa adote o uso do Pair, escolha uma equipe madura, pense pequeno e, dando tudo certo, vá expandindo até que isso vire uma cultura dentro da empresa.

Respeite a opinião dos outros, aceite a derrota e mude de empresa se for o caso. Mas não faça inimigos tentando evangelizar algo. Acredite, não vale a pena. Se for necessário, peça ajuda. Tem muita gente na internet usando Pair.

1 comentário para "Pair Programming – Por que e como usar?"

Deixe um comentário

*

(obrigatório)Não é aceito código HTML: adicione-o no pastie.org e poste apenas o link.